Cecília Meireles
Poetisa brasileira, nasceu no Rio de Janeiro em 7 de janeiro de 1901. Em 1910, concluiu o curso primário e, sete anos depois diplomou-se professora primária e passou a desenvolver intensa atividade como educadora. Estudou também línguas, canto, violino. Aos dezoitos anos lançou o livro de poemas Espectros, pelo qual recebeu elogios da crítica especializada. Em 1934 organizou a primeira biblioteca infantil do país. Em 1935 foi nomeada professora de Literatura Luso-brasileira e, depois, de Técnica e Crítica Literária na Universidade do então Distrito Federal. Cecília Meireles faleceu no dia 9 de novembro de 1964, em pleno apogeu de sua atividade literária. Recebeu, post mortem, o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto de sua obra. De fina espiritualidade, sua poesia, sem deixar de ser moderna, mergulha raízes nas essências do simbolismo, caracterizando-se, no plano formal, pela riqueza de recursos estilísticos. Obras principais: Viagem (1938); Vaga música (1942); Mar absoluto (1945); Romanceiro da Inconfidência (1953); Solombra (1964).
 
Dica: Clique no título de cada campo da tabela para ordenar a lista de Poemas.
Pode ser ordenada de forma Crescente () ou de forma Decrescente ().
 
12
Título VisitasEnvios
"Chovem duas chuvas"62282 vezes134 vezes
4º Motivo da Rosa58886 vezes233 vezes
A arte de ser feliz216174 vezes1840 vezes
A Chuva Chove27586 vezes42 vezes
Aqui Está minha Vida98993 vezes302 vezes
Atitude62378 vezes167 vezes
Balada das Dez Bailarinas do Cassino14339 vezes22 vezes
Canção28609 vezes91 vezes
Canção14620 vezes28 vezes
Canção de alta noite21320 vezes72 vezes
Canção Excêntrica11706 vezes36 vezes
Canção Póstuma11943 vezes31 vezes
Cantar24157 vezes46 vezes
Colar de Carolina26209 vezes114 vezes
Coliseu11773 vezes17 vezes
Cronista Enamorado do Sagüim13326 vezes14 vezes
De um Lado Cantava o Sol21287 vezes87 vezes
Depois do Sol...74570 vezes149 vezes
Despedida57914 vezes287 vezes
Dia de chuva35156 vezes37 vezes
Diálogo19594 vezes41 vezes
Discurso10009 vezes27 vezes
Dos cravos roxos15117 vezes15 vezes
É Preciso Não Esquecer Nada61117 vezes202 vezes
Emigrantes6915 vezes12 vezes
Encomenda10242 vezes11 vezes
Estirpe9114 vezes5 vezes
Explicação28127 vezes47 vezes
Fantasma17742 vezes31 vezes
Fio16484 vezes34 vezes
12


 

© Copyright 1998 - 2018 Poemas de Amor. Todos os direitos reservados.